terça-feira, agosto 22, 2006

Carla del Ponte volta a acusar a Sérvia

No Diário de Notícias: "O julgamento de sete dos presumíveis responsáveis pelo massacre de Srebrenica recomeçou ontem no Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, em Haia, onde a procuradora Carla del Ponte classificou como "escandalosa e indesculpável" a recusa da Sérvia em prender o general Ratko Mladic, um dos principais responsáveis sérvios procurados por crime de genocídio. Ex-líder militar dos sérvios bósnios, "Mladic deveria ir a tribunal" para responder às acusações de genocídio na guerra da Bósnia-Herzegovina (1992-1995), declarou a procuradora do TPI-J na apresentação do caso contra os sete responsáveis. "O Governo da Sérvia é perfeitamente capaz de fazê-lo. É absolutamente escandaloso" que Mladic, tal como o ex-líder político dos sérvios bósnios, Radovan Karadzic, não tenham sido capturados 11 anos depois do massacre de Srebrenica, acrescentou ainda Carla del Ponte." [notícia completa]

quinta-feira, agosto 17, 2006

Governo recusa responder a inquérito de Bruxelas

No Diário de Notícias: "O Governo recusa intromissões do Parlamento Europeu na definição da sua política, nomeadamente no capítulo da defesa e dos negócios estrangeiros. Com base neste princípio, prepara-se para recusar informações aos eurodeputados que investigam "o envolvimento e a cumplicidade" de Estados membros da União Europeia numa série de alegadas actividades ilegais da CIA no Velho Continente a pretexto do combate aos terroristas islâmicos. "O Governo português responde perante a Assembleia da República e não perante o Parlamento Europeu", disse ao DN uma fonte próxima do primeiro-ministro. José Sócrates considera que os eurodeputados não têm capacidade de es- crutinar a actividade do Executivo de Lisboa, nomeadamente no caso dos voos da CIA destinados ao alegado transporte de detidos para prisões ilegais no centro e leste da Europa." [notícia completa]

segunda-feira, agosto 14, 2006

Colaboracionista palestiniano executado em frente a multidão

No PÚBLICO: "Homens armados de grupos de combatentes palestinianos mataram ontem, na cidade de Jenin (Cisjordânia) um homem suspeito de colaborar com Israel, fornecendo ao Estado hebraico informações sobre membros da Jihad Islâmica. Imagens televisivas mostraram o homem, com olhos vendados e algemado, vestido com jeans e t-shirt, a ser forçado a ajoelhar-se em frente a um monte de areia. Depois, foi alvejado várias vezes, no peito, por pelo menos dois homens vestidos com uniformes de combate. Uma multidão assistia à cena. Ouviram-se gritos: "Allahu Akbar". O homem caiu para trás, morto." [notícia completa]

50 mortes

No Editorial do Diário de Notícias: "Nos últimos dois anos foram mortas 50 mulheres pelos homens com quem viviam ou tinham vivido. As contas foram ontem feitas pelo Jornal de Notícias e dizem-nos que o homicídio conjugal tornou-se uma notícia que nos revisita em ciclos de notoriedade cada vez mais curtos. A diferença em relação ao passado está numa sensibilidade maior das autoridades policiais e políticas em relação à violência doméstica. Não há mais casos, eles são é cada vez mais conhecidos." [artigo completo]

sexta-feira, agosto 11, 2006

Jovem voluntário italiano é assassinado em Jerusalém

Na ANSAlatina: "JERUSALÉM, 11 AGO (ANSA) - Um jovem voluntário italiano foi assassinado ontem em Jerusalém por um palestino. Angelo Frammartino, 24 anos, foi esfaqueado na parte antiga da cidade, "um crime totalmente desmotivado que nós palestinos condenamos, e não imaginamos quem foi o responsável nem por quais motivos matou", disse hoje à ANSA a diretora do Centro Burj Al Laq Laq, Daiana Husseini." [notícia completa]

quinta-feira, agosto 10, 2006

Indígenas mortos na Colômbia

Cinco indígenas deslocados das suas terras foram mortos a tiro terça-feira à noite na localidade de Altaquer, departamento de Nariño, na Colômbia, anunciou o presidente da Organização Nacional Indígena da Colômbia, Luis Evelis Andrade, citado pelo diário El Espectador. Três das vítimas eram da mesma família, de acordo com um ex-governador do povo índio a'wa. Os autores da chacina bem como os motivos eram ontem ainda desconhecidos. As autoridades abriram uma investigação. Os cinco pertenciam a um grupo de cerca de 1350 indígenas a'wa que no dia 11 de Julho foram obrigados a abandonar as suas terras tradicionais. Desde o princípio do ano, segundo Andrade, foram assassinados na Colômbia 32 índios, dois morreram na sequência do rebentamento de minas, 12 foram sequestrados, 28 desapareceram e 74 ficaram feridos no fogo cruzado dos grupos de esquerda e direita, e tropas governamentais. Na Colômbia, 6300 índios de diversas nações locais estão confinados a territórios fixos e 10.818 estão ameaçados por toda a espécie de carência incluindo a falta de segurança.

quarta-feira, agosto 09, 2006

Cuba ameaça multar quem vir TV estrangeira por satélite

No Diário Digital: "O Governo cubano ameaçou quarta-feira, através da imprensa, com uma multa que pode ascender a mais de sete anos de ordenados, todos os cidadãos do país que tenham aparelhos ilegais para captar televisões estrangeiras por satélite. Numa altura em que a Administração norte-americana pretende reforçar as emissões da TV Martí, o canal de televisão criado para transmitir informação pró-norte-americana para Cuba, as autoridades da ilha aumentam o controlo sobre os equipamentos ilegais de captação das emissões por satélite. De acordo com o diário oficial Granma, as autoridades cubanas consideram que «grande parte da programação que se recebe por essa via é de conteúdo destabilizador, intrometido, subversivo, e apela, cada vez mais, à realização de actividades terroristas»." [notícia completa]

terça-feira, agosto 08, 2006

Alemanha: estudo refere que houve 125 mortos no Muro de Berlim

No Diário Digital: "Nos 28 anos de existência do Muro de Berlim foram assassinadas 125 pessoas, anunciou terça-feira o Centro de Pesquisa de História Contemporânea de Potsdam, com base em novos dados. Os 125 casos de mortes no Muro de Berlim entre 1961 e 1989 «estão cientificamente comprovados», embora haja ainda pelo menos 80 outras situações por esclarecer, disse aos jornalistas, Hans-Hermann Hertle, director do centro de Pesquisa. O novo levantamento, financiado em 260 mil euros pelo ministro de Estado da Cultura, começou há um ano, após a conclusão dos julgamentos de soldados da ex-RDA que atiraram a matar sobre alemães da ex-RDA, no Muro de Berlim. O Ministério Público Federal disponibilizou a documentação necessária, porque nos arquivos da extinta Alemanha de Leste não existem quaisquer números sobre vítimas no Muro de Berlim." [notícia completa]

Amnistia Internacional pede respeito a povos indígenas

Na ANSALatina: "LONDRES, 9 AGO (ANSA) - A Amnistia Internacional (AI) pediu hoje às autoridades mundiais, através de um comunicado, que reconheçam "sem demoras os direitos humanos dos povos indígenas". Segundo o organismo, a situação que sofrem os povos indígenas de todo o mundo leva à grande necessidade de que seus direitos sejam reconhecidos como princípio, e sejam respeitados na prática. No documento "O reconhecimento dos direitos humanos dos povos indígenas do mundo tem muito atraso", a AI diz que em seu 61º período de sessões, próximo de ser realizado, a Assembléia Geral das Nações Unidas "terá uma oportunidade histórica de defender os direitos humanos de alguns dos povos mais marginados do mundo, adotando a demorada Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas". [notícia completa]

LÍBANO: AMI chegou a mais de 10 mil pessoas

Na TSF: "Mais de 10 mil libaneses receberam ajuda da organização não-governamental AMI, apesar das dificuldades causadas pelos bombardeamentos israelitas, disse esta terça-feira o presidente da ONG à chegada ao aeroporto de Lisboa. Fernando Nobre salientou que «a alimentação, os medicamentos e a água são as três grandes necessidades da população», sublinhando que as «questões psicológicas e as de segurança também precisam de ser resolvidas urgentemente». A equipa da AMI, que percorreu todo o Líbano com excepção do extremo sul, testemunhou um «sofrimento psicológico intenso, de pessoas que tiveram de deixar as suas casas, de famílias que ficaram separadas». «Muitos deles não sabiam dos seus familiares e se as suas casas tinham ficado totalmente destruídas», disse Fernando Nobre. «É uma tragédia humana», salienta." [notícia completa]

segunda-feira, agosto 07, 2006

Cabo Verde: Dia da Resistência Antifascista a 29 de Outubro

No Diário Digital: "O governo cabo-verdiano instituiu o Dia da Resistência Antifascista a 29 de Outubro, data a abertura do antigo campo de concentração do Tarrafal, na ilha de Santiago, onde estiveram detidos inúmeros presos políticos do regime colonial português. A resolução decreta ainda que as instalações dessa antiga prisão passam a fazer parte do Património Nacional da República de Cabo Verde. Segundo nota explicativa do Conselho de Ministros, a decisão surge no âmbito do «reconhecimento do papel histórico e civilizacional» desempenhado pelo ex-campo de concentração do Tarrafal no processo de emancipação e da conquista da liberdade e da independência dos povos das antigas colónias portuguesas, em geral, e de Cabo Verde, em particular." [notícia completa]

LÍBANO: Primeiro-ministro acusa Israel de ter feito «massacre»

Na TSF: "O primeiro-ministro libanês acusou Israel de ter feito um «massacre» em Hula, ao matar cerca de 40 civis num bombardeamento. Perante os MNE árabes, Fouad Siniora, que depois corrigiu este número, emocionou-se ao pedir um cessar-fogo imediato e incondicional. O primeiro-ministro libanês acusou, esta segunda-feira, o exército de Israel de ter feito um «massacre» na localidade de Hula, depois de um bombardeamento feito esta segunda-feira que vitimou pelo menos 40 civis. «O último massacre ocorreu há algumas horas. Foi uma carnificina horrível, onde caíram 40 mártires», afirmou Fouad Siniora, que enumerou vários ataques israelitas desde o início do conflito entre Israel e o Hezbollah que vitimaram mortalmente vários civis." [notícia completa]

Annan: Força da ONU para Darfur precisa de 18.600 soldados

No Diário Digital: "A força das Nações Unidas no Darfur, Sudão, deverá integrar 18.600 militares para garantir o cumprimento do recente acordo de paz assinado por todas as partes envolvidas, defende o secretário-geral das Nações Unidas no último relatório sobre a questão. No relatório divulgado no fim-de-semana, Kofi Annan indica três opções para que uma missão da ONU no Sudão possa operar na região oeste do Darfur. Está previsto que a missão inicie os seus trabalhos em Janeiro, se o governo sudanês aprovar o envio de uma força internacional. Annan explica que qualquer força militar deve ser «numerosa, ágil e robusta», visto pretender trazer paz e estabilidade a uma região onde milhares de pessoas foram mortas e mais de dois milhões de outras estão deslocadas, desde o início do conflito, em Fevereiro de 2003." [notícia completa]