sexta-feira, abril 04, 2014

25 anos na defesa dos Direitos Humanos

A Amnistia Internacional Portugal – Grupo 19 | Sintra completa 25 anos de activismo pelos Direitos Humanos no dia 4 de Abril. Pelo trabalho realizado no Concelho, nomeadamente entre a juventude, e pelas vítimas que ajudou neste quarto de século, a estrutura local desta organização internacional de defesa dos Direitos Humanos assinalará a data com um jantar de convívio de antigos e novos membros, dirigentes nacionais e amigos. 

O grupo nasceu em 1989. A sua primeira campanha foi Timor-Leste e um dos primeiros prisioneiros que adoptou, o israelita Mordechai Vanunu. Os seus activistas escreveram cartas a governos e prisioneiros, montaram bancas, manifestaram-se, visitaram embaixadas, alimentaram programas de rádio, participaram em debates, promoveram peças de teatro e concertos de música clássica, entre outras iniciativas. 

Realizaram tertúlias temáticas, multiplicaram-se em sessões de esclarecimento, públicas ou em escolas, ofereceram bibliotecas de Direitos Humanos a estabelecimentos de ensino locais. Formaram estruturas da Amnistia em escolas secundárias. Publicaram um livro sobre Direitos Humanos destinado a estudantes. 

Participaram, assidua e solidariamente, em iniciativas de outros grupos nacionais e da sede, estabeleceram parcerias. Intervieram nos concelhos sem grupos organizados da AI. Manifestaram-se mesmo fora do país, por exemplo em Madrid. 

Entre 2010 e 2014 intercederam com sucesso pela saraui Aminetu Haidar e a guatemalteca Norma Cruz, e contribuíram para a libertação de mais de uma dezena de prisioneiros de consciência no Peru, Guiné Equatorial e Angola. 

Hoje centram a sua actividade na Educação para os Direitos Humanos, por exemplo nas Mostras anuais de documentários sobre Direitos Humanos, o único certame do seu género em Portugal, que vai na XIII edição, a par de campanhas como O meu corpo, os meus direitos, e da defesa de casos que sobraram anacronicamente do passado, como o de Vanunu, e de outros novos, como o do advogado Ponciano Mbomio Nvó , na Guiné Equatorial. 

O 19 está presente nas redes sociais, mantém vivas colunas na imprensa escrita, mas, enquanto estrutura operacional, é no terreno que mais actua. Conta com algumas dezenas de membros e apoiantes, incluindo um núcleo duro de 17 activistas. Reúne-se regularmente de dois em dois meses. É uma estrutura a um só tempo discreta e aberta. A todos quantos compreenderam a nossa Visão e nos ajudaram na nossa Missão no último quarto de século, o nosso obrigado. 

Amnistia Internacional Portugal - Grupo 19| Sintra

1 comentário:

Isabel Gomes disse...

Parabéns ao Grupo 19! Continuem assim.

http://osmeusremedioscaseiros.blogspot.com